Vou navegar

O canto suave de pássaros a transformar a tarde,
A grama verde,
A calma e a paz tão mais importante
que a tempestade da incerteza.

As nuvens se formam no céu.
Final de feriado, final de tarde.
Momentos que me invadem
Me preenchendo,
Envolvendo meus olhos de flores.

Na rede meu corpo descansa,
Depois de um dia
E assim as palavras vão se transformando…
Gosto de me sentir assim.

Meu Deus, me Pai
A brisa sopra, o mar está perto
O céu azul se vai pouco a pouco,

O talvez da chuva

E você chega no meu pensamento…
E não sei porque , comecei a pensar em você
Parece ter descoberto
Nem sei o que…
Gaivotas surgem
Minhas mãos…

Vou navegar? Não sei

S. Carneiro

Vazio

Sinto sua presença em cada brisa
que sopra neste lugar,
Vejo sua sombra,
sinto seu cheiro
ouço a sua voz.

Minha imaginação demais aguçada
traz para todos os lugares
sensações sentidas,
olhos, mares e idas
vindas da vida que se vai.

Sua presença tão marcante.

O talvez de você continuar
e o principal de eu ainda estar presente
no seu pensamento,
no seu eu
na sua praia
no seu céu.

Onde estás?
Quero sentir
seus olhos a me perseguirem
como antes faziam.

Sinto o vazio…
seus olhos
suas carícias.

Será tudo imaginação?

Será que eu vivi tudo isso?

Será que a onda do seu mar
Procura a praia do meu mar?

S. Carneiro

A chave

Nem tudo na vida se sente tocando…
Nem tudo na vida se sente o aroma…
Muitas vezes a vida te dá oportunidades de sentir outra sensações.
Oportunidades de refletir sobre sentimentos abandonados, esquecidos,
Deixados dentro de uma gaveta.
De uma gaveta trancada com chave.

\"brasil-oct_2011-189\"

E a chave?
Sei lá?
Perdida?
Jogada no mar?

Mas nós sabemos.
Tudo que jogamos no mar,
Mas cedo ou mais tarde é devolvido.
O mar devolve e questiona.
Por que?

Mas a chave nem sempre é a mesma que foi jogada.
Não é a sua.
A sua ele carregou pra muito longe.
E para outra pessoa entregou.

Estas sensações: o mar dá um jeito de você provar.
Elas são experimentadas na mente.
elas são construídas em detalhes através de palavras escritas
São construídas através da imaginação e do olhar.

A chave da gaveta do meu coração foi encontrada
E aberta novamente está …

Mas…

Eu não sei o que tem dentro dela…

 

S. Carneiro